Atrações

Parque Pousada do Canyon Guartelá: Arca da Aliança

Arca da Aliança

Origem

A Arca da Aliança é descrita na Bíblia como o objeto em que as Tábuas dos Dez mandamentos teriam sido guardadas, e também como veículo de comunicação entre Deus e seu povo escolhido. 

Sua construção é orientada por Moisés, que por sua vez recebera instruções divinas quanto à forma e tamanho do objeto. Na Arca estavam guardadas as duas tábuas da lei; a vara de Aarão; e um vaso do maná.

Construção

Para transportá-la foram colocadas quatro argolas de ouro puro, cada uma, nas quatro laterais da mesma, duas de um lado e duas do outro, para que varais pudessem ser encaixados. As varas para este transporte eram de acácia também e toda recoberta de ouro puro. As varas eram colocadas nas argolas de ouro e assim a Arca da Aliança era transportada pelo meio do povo. Sobre a tampa, foram esculpidos dois querubins de ouro ajoelhados e com os rostos voltados um para o outro, com as asas esticadas para frente, tocando-se na extremidade. Suas faces eram voltadas uma para a outra e as asas cobriam o propiciatório encontrando-se como um arco. Deus se fazia presente no propiciatório no meio dos dois Querubins de ouro. Foi colocado dentro da Arca as Tábuas com os Dez Mandamentos escritos por Deus, um pote com Maná e o Cajado de Arão que floresceu. A Arca fazia parte do conjunto do Tabernáculo, com outras tantas especificações. Ela ficaria repousada sobre um altar também de madeira coberto de ouro, com uma coroa de ouro ao redor. Somente os sacerdotes poderiam transportar a arca ou tocá-la e no dia da expiação, estando ele em pecado, morreria instantaneamente.

Função e simbologia

A partir do momento em que as Tábuas dos Dez Mandamentos foram repousadas no interior da Arca e esta foi fechada, ela é tratada como o objeto mais sagrado, como a própria representação de Deus na Terra. A Bíblia relata complexos rituais para estar na presença da Arca dentro do Tabernáculo. Tocar a Arca era um ato de atrevimento punido severamente, e a Bíblia conta de alguns casos em que pessoas tiveram morte instantânea apenas por tocar na Arca. Os varais permitiriam que ela fosse transportada sem que fosse tocada.

A Arca como instrumento de guerra

A crença na presença ativa de Deus fez com que os hebreus, por várias vezes, carregassem a Arca à frente de seus exércitos nas batalhas realizadas durante a conquista de Canaã. Inicialmente, a presença da Arca era suficiente para que pequenos contingentes Hebreus aniquilassem exércitos Cananeus inteiros, e quando os comandantes hebreus dispensavam a Arca, sofriam derrotas desastrosas.

 

A Arca em Jerusalém e o Templo de Salomão

No início de seu reinado Davi ordenou que a Arca fosse trazida para Jerusalém, onde ficaria guardada em uma tenda permanente no distrito chamado Cidade de Davi. Então Davi começou a planejar e esquematizar a construção de um grande Templo. Entretanto, esta obra passou às mãos de seu filho Salomão. No Templo, foi construído um recinto (chamado na Bíblia de “Oráculo”) de cedro, coberto de ouro e entalhes, dois enormes querubins de maneira à semelhança dos que havia na Arca, com um altar no centro onde ela repousaria. O recinto passou a ser vedado aos cidadãos comuns, e somente os Levitas e o próprio rei poderiam se colocar em presença da Arca.

Desaparecimento

A Arca da Aliança desapareceu da narrativa bíblica depois do incêndio ao Templo. Por isso, não há certezas da sua existência nem da sua destruição. É possível que, antes de atear fogo ao Templo, os soldados de Nabucodonosor tenham tomado todos os objetos de valor (incluindo a Arca coberta de ouro) e a levado como prêmio pela conquista. Uma vez em posse dos Babilônicos, ela pode ter sido destruída para se obter o ouro, ou ter sido conservada como troféu. Corre uma história entre alguns de que a Arca teria sido retirada do Templo e escondida em um lugar seguro antes que os invasores a capturassem.

 

A busca pela Arca

De qualquer modo, a Arca tem sido um dos tesouros arqueológicos mais cobiçados pela humanidade, e inúmeras expedições à Mesopotâmia e à Palestina foram realizadas, sem sucesso. Existem hoje em vários museus réplicas da Arca baseadas nas descrições bíblicas, mas a verdadeira jamais foi encontrada.

 

Prof. Felipe Aquino